Ação na obra de Deus

“Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vos conceda.” João 15:16

Jesus Cristo em breve voltará e nós precisamos agir rapidamente. Deus está preparando um grande reavivamento!

A atual situação do ser humano com relação ao plano de salvação de Deus é desastrosa. Hoje, estima-se que bilhões de pessoas não ouviram falar do evangelho de Cristo. Porém, o mais alarmante é que cerca de 100 milhões delas morrem por ano sem serem salvas.

Às vezes nos escondemos por detrás do nosso ministério para não irmos atrás das almas perdidas, dizendo: “Ah, eu sou levita, esta tarefa é realizada pelo evangelista.” Assim corre por quase todos os grupos na igreja, e a grande maioria negligencia a maior chamada de Deus: “Ide e pregai o evangelho a todos os povos.

Quantos reclamam por uma “nova Unção”, uma vez que somos o templo do Espírito Santo. Se somos o templo do Espírito, o Espírito habita em nós. O Espírito é a Unção e o óleo nunca seca, por conseguinte se temos o Espírito em nós, temos a unção fresca e nova. Se alguém vive implorando uma “nova Unção”, talvez ainda não tenha se convertido de forma sincera, a fim de receber permanentemente a Unção, ou o Espírito da Unção que são a mesma coisa.

Para a Unção se manifestar em nossas vidas é necessário da nossa parte à ação. Quando agimos em cima da rhema (palavra revelada por Deus), a Unção se manifesta através de nós (ou será que esperaremos os sinais para que os sigamos; Mc 16.17ª). Deus não nos deu o Seu Espírito para termos apenas cultos abençoados, não temos a Unção apenas para sinais e maravilhas, mas temos a Unção porque Jesus disse: “O Espírito do Senhor está sobre mim, para curar os quebrantados e libertar os cativos e proclamar o ano aceitável ao Senhor; para dar-lhes alegria por cinzas”, é por isso que temos a Unção do Espírito (Is 61:1 a 3).

Jesus Cristo pôde ser pendurado numa cruz, nu, rasgado em pedaços por nós e nós nos recusamos a assentar um pouco no chão sujo para alcançar uma alma perdida? Se ao analisar o coração intimamente, descobrires que este fato nunca passou pela sua cabeça e quando passa não te incomoda, a Bíblia tem um nome específico para pessoas com tal pensamento: HIPÓCRITAS! Tais pessoas oram na igreja, pregam, louvam, mas não têm um momento de suas vidas para estarem com uma alma perdida…

Como podemos ficar tão egoístas e segurarmos a Unção dentro de nossas tão pequenas existências? O poder do Espírito jamais perde a sua eficácia, mas somos nós que esfriamos, dando lugar à omissão de nossas obrigações para com o Senhor.

Quando o Espírito Santo desceu em Pentecostes, Ele veio com poder; Ele não entrou suavemente, como quem diz: “Pchh… silêncio!” Não, o Espírito desceu com grande poder, com fogo e virtude, e devido ao acontecimento grandioso, toda Jerusalém ficou sabendo (At 2.5-6). Pois este mesmo Espírito está em nós, basta nos dispormos e agirmos de acordo com o Seu querer.

Muitos hoje ao redor do mundo carecem desesperadamente da nossa Unção, e o que temos feito dela? O que mais estamos esperando para cumprir nossa obrigação? Penitenciárias, hospitais, áxilos, creches, favelas; em todos os locais o inimigo toma a liderança paranóica das almas, porque estas não encontram coisa melhor do que se entregar às drogas, à prostituição, ao suicídio. Enquanto isto festejamos alegremente nas noites de Natal; nos fechamos em retiros espirituais a fim de “buscarmos a Deus”, organizamos festas para todas as igrejas da vizinhança com o intuito de arrecadar fundo ou até mesmo, membros!

Se não sairmos deste efeito paralisante em que a igreja se encontra nos dias de hoje, as almas continuarão a lotar as galerias do inferno e O que habita em nós, a cada dia se entristecerá mais e mais, devido a nossa brutal falta de amor pelo próximo.

A prioridade de Deus deve ser nossa prioridade, ou seja, ganhar almas e continuar a estabelecer o Seu reino na Terra.

A Igreja do Senhor não é um “Navio para Prazeres”, onde todos os desejos e sonhos de cada integrante devem ser realizados a todo custo, mas um barco salva-vidas! Estrelas, mágicos e palhaços não são necessários nesse barco. Desde o capitão até o cozinheiro do navio estão presentes para salvar vidas (almas) para Jesus. Se tal “barco” não salva os perdidos encontra-se também perdido. A chamada para a “Grande Comissão” ainda é a mesma e talvez mais pulsante do que antes, devido o tempo que está muito mais curto do que no dia em que o Senhor à entregou aos Seus discípulos. Cremos pois, que o livro de Atos dos Apóstolos será terminado pelos Apóstolos desta última geração; Nós!!

Deixe um comentário

wpDiscuz